Desabafo

Assim que saiu do enterro do Igor, minha mãe foi me visitar no hospital. Chegando lá a primeira coisa que ela me disse é que tinha batizado ele, confesso que não estranhei a notícia, afinal o padre da paróquia dela havia ido ao enterro.
No dia 25 conversavamos na cama, Valber e eu, e o assunto caiu em batismo dos próximos filhos e então eu comentei que minha mãe jamais aceitaria um neto não ser batizado, tanto que ela havia batizado o Igor e ele me contou que ele não foi batizado. Na verdade quando minha mãe foi com a água benta para batiza-lo o padre tirou ela de perto do caixão e a levou no canto, conversou com ela e a explicou que não podia, ele teve uma outra cerimônia, comum aos mortos. Na hora fiquei muito triste, não que eu fizesse questão do batismo, mas percebi que minha mãe estava em negação quando me contou do batismo, e percebi que não me questionei porque eu também estava...
Complicado de mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A perda gestacional existe...e tem rosto.

Epifanias

Uma Baita Viagem?!