Visita a maternidade



Ontem fui visitar  a Maternidade Fernando Magalhães, estava cheia de preconceitos, confesso...e quase não fui, já que não havia como chegar lá de transporte público. Ainda bem que conseguimos ir...mas antes de contar as decisões que isso me levou a tomar...vou contar minha odisseia para chegar lá.

Comecemos dizendo que desde que tenho uns 17/18 anos tenho um princípio na vida que é "Nunca deixar minha mãe saber a que horas tenho que sair.". Minha gosta de sair beeem cedo quando vai a qualquer lugar, prefere chegar 1 hora antes do que 2 minutos atrasada, por isso ela se baseia nessa ideia pra montar os horários de levantar, isso significa que se eu disser que tenho que sair às 9h, no máximo às 7h ela está me acordando. Quando me mudei da casa dela achei que isso ia passar, mas ela me me liga ou vem aqui na porta me chamar...
Enfim...na quarta depois de descobrirmos que não tinha como ir de ônibus/trem/metrô sem passar pelo menos 10 minutos andando desistimos de ir quando minha última esperança,m eu pai que sabe chegar a qualquer lugar, disse não saber como chegar lá...
Ontem às 07:30h minha mãe chamou na porta! Levantei forçando a maior cara de poucos amigos que consegui...e me deparei com a minha mãe segurando dinheiro pra eu ir de táxi. -Aqui a cara de poucos amigos se transforma em cara de bunda- Agradeci uma 100 milhões de vezes!!!! Marido levantou, no arrumamos e lá fomos nós!
No dia que conhecemos a Isa, ao saber que não tínhamos carro e que as chances do meu pai estar em casa são menores do que as dele estar trabalhando, nos deu o cartão de um taxista e nos indicou um programa pra chamar táxis pelo android....vocês lembraram disso? Nem nós...
Ficamos um tempão esperando algum taxista parar, cerca de 10 minutos depois, conseguimos. Daí pegamos a Av. Brasil...assim...PARADA!!!!! E quanto menos o carro andava, mais meu medo de parir na Brasil quando o dia chegasse aumentava e mais eu xingava o Dudu por ter transformado a cidade num gigante canteiro de obras. Quando finalmente chegamos a São Cristóvão descobrimos que o taxista não sabe onde fica o hospital e mais, ele nem roda no RJ, ele só roda na Ilha...daí marido tem que pedir informação pra chegarmos lá...Uma diliça de viagem....DI-LI-ÇA!
Chegamos lá com 30 minutos de atraso, mas chegamos!
A maternidade é só maternidade! Não é hospital também...Recebemos palestra sobre o Cegonha, sobre como funciona o acolhimento no hospital, sobre como o MMA é um bom hospital e a mídia que tenta denegri-lo (juro, tava na pauta), indicações de quando ir ao hospital...
A enfermeira era divertidíssima (só perdeu ponto porque chamou a gente de "mãezinhas"), explicou que se chegar lá com menos de 5 cm de dilatação eles mandam voltar pra casa sim! E que não é pra ir pra casa xingar, é pra ir pra casa, tomar um banho, namorar (sem estripulias, ou como ela disse só o basicão nada de canguru perneta), caminhar um pouco e depois voltar. Fomos informados que lá da direito a um acompanhante no pré-parto e parto (realizados no mesmo lugar), que pode ser o marido e que no puerpério temos direito a acompanhante 24 horas por dia, mas esse só pode ser do sexo feminino. E então fomos conhecer a maternidade.
Nas salas de parto e pré-parto uma gestante caminhava pelos corredores e nas paredes cartazes instruindo as parturientes a "mexerem-se", descemos ao leitos onde vimos que os alojamentos são conjuntos e que o bebê fica o tempo todo com a mãe. Fomos informados que banho só depois de 24 horas!!! Quanto mais tempo o bebê ficar coberto de vernix melhor (aí eu vi vantagem). Ganhamos nossos kits e fomos dispensadas.
Com exceção da barriguda com infecção urinária e a que estava com 39 semanas de IG pela 1ª USG e contrações irregulares há uma semana, essa última no caso, sou eu. Fui informada de que se até eu completar 41 semanas pela USG (28/11) eu ainda não tiver parido, eu preciso ir pra lá me internar para indução do parto!!!!
E como esse post tá enorme, descorrerei sobre esse assunto em outro post...só que mais tarde, ou amanhã ou depois ou depois...cês entenderam.

Comentários

  1. Que bom que gostou da maternidade... Aqui tbm o bebe fica 24 horas com a mãe... é tudo de bom....
    Ahhh acho que não acertei no palpite da data do parto... rsrs
    Boa sorte, amiga. Vou esperar o próximo post...

    Beijooos

    http://esperadomeupresentinho.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Mari, conhece o grupo "Cesárea? Não obrigada!" do facebook?
    Lá tem um monte de gente que gosta muito da MMA, sempre as vejo defendendo a maternidade!
    Que bom que vc gostou!!
    E avisa a enfermeira que Milorde tá só esperando o papai ficar bom pra poder chegar! ;)
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conheço sim, Gabi e gosto muito da MMA...meu plano era parir lá, mas houve uma mudança...no próximo eu explico melhor...

      Excluir
  3. Mari, eu sei que não preciso dizer isso, mas você vai parir lindamente, seja onde for. Mulher empoderada a gente vê por aqui! :D

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são moderados para evitar a fadiga, mas não se acanhe e comente ou me sentirei falando sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

A perda gestacional existe...e tem rosto.

Epifanias

Sapos e Princesas