Outubro...

Agosto passou voando, setembro tá indo ainda mais rápido e lá na esquina outubro me espera.
Eu já o vejo, triste, sombrio, olhando direto pra mim. Tenho tentado desviar o olhar, não quero me recolher e chorar, mas quando mais perto fica, mais a dor aumenta.
Tiraram de mim o direito de chorar, de sentir saudade de uma vida que eu não vivi, afinal, "agora eu tenho o Ravi", " eu o vi tão rápido, estava tão dopada. Pode ser mais um conceito do que uma lembrança"...ora bolas...vão a merda todos vocês.
Se não conhece a minha dor não ouse desrespeitá-la, por favor!
Já não choro tanto, é verdade. Afinal, entre risos, dadadas e sonecas gostosas me falta tempo, mas aí vem a culpa...
Porque há quase 2 anos, eu vivo com a culpa. E se eu tivesse feito a cesárea com 38 semanas? E se eu não tivesse ido a praia? E se eu tivesse ido pra maternidade?. Porque eu precisava saber que tinha algo errado!
"Mas se tivesse o Igor, não teria o Ravi" Ah que consolo, então eu preciso escolher qual filho eu quero! Eu quero os 2! Quero preparar uma festa em outubro e outra em novembro, quero desfraldar um e ver o outro ensaiando os primeiros passos, quero ir dormir cansada, arrasada e descabelada, mas com 2 filhos vivos... Mas não dá, não rola...não vai acontecer, não com esses dois...
E lá vamos nós de novo, porque outubro me espera, triste, sombrio e me olhando nos olhos.

"O que tem que ser, é." É mesmo? Ou é só uma ilusão gostosa que ameniza as dores?

Comentários

  1. Mari, eu jamais poderei dizer que te entendo ou imagino o que esteja sentindo... afinal, só quem já passou por isso sabe a dor que sente. Mas posso te dizer que respeito sua dor e que você tem todo o direito de senti-la. Não deve ser fácil! Imagino que deva ser complicado conciliar esses dois sentimentos, a felicidade de ver o Ravi crescer com a tristeza de não ter o Igor aqui. E realmente não há palavras que amenize esse sentimento. Mas sinta-se abraçada por mim! Peço a Deus que conforte seu coração, que lhe dê forças para conviver com essa dor, pois acredito que essa é uma dor que jamais será esquecida.
    Fique com Deus, querida!
    Um bj
    Dai

    ResponderExcluir
  2. Ai, que difícil!
    Choro ao ler suas palavras e meramente imaginar sua dor... É ridículo que se espere que vc, que sente tudo isso com força, não vá chorar...

    Te deixo um abraço bem apertado!!
    Que pelo menos vc não tenha que encarar outubro sozinha...

    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Faço da Daienne minhas palavras. Não existe palavras pra tentar consolar...Te desejo forças!

    ResponderExcluir
  4. Nossa, Mari! Eu não sei como foi a sua história, mas vou te dizer uma coisa: não se culpe, e não pense "e se". Porque não é sua culpa, porque nunca iremos saber o que aconteceria se você tivesse feito uma cesárea ou se você não tivesse ido à praia. Te mando um abraço apertado daqui de longe e espero que seu coração se acalme e abrande com o tempo.
    Beijos, querida!
    Rita

    ResponderExcluir
  5. Chorei! Como eu chorei!
    Só você sabe a dor que traz no coração!
    Força! Mt força!

    ResponderExcluir
  6. Oiiii flor!
    Oh céus... nem consigo mensurar o tamanho da sua dor, mas eu posso imaginar, pq sempre que penso que poderia perder meu filho, meu coração dói!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são moderados para evitar a fadiga, mas não se acanhe e comente ou me sentirei falando sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

A perda gestacional existe...e tem rosto.

Epifanias

Uma Baita Viagem?!