Sobre escolhas, medos, dúvidas e ansiedade...

Nós vamos falar de parto de novo, ok?




O meu sonho era um PD, primeiro porque tenho pavor de hospital e a ideia de dormir 2 noites num hospital me arrepia, aí você soma o Ravi que nunca ficou mais de algumas horas longe de mim (no máximo, 13 horas quando eu saia da aula pro estágio) e toda violência obstétrica que eu sofri nos dois partos (volto falar disso ainda nessa encarnação). Mas, o PD fica completamente fora dos meus planos por um motivo simples: Família morando no mesmo quintal

Simulação:
Começa o TP, ligo pra doula, pra parteira e pra quem mais tiver que chamar. Caminho de um lado pro outro, como um sanduíche, tomo um suquinho e vejo TV até chegarem. Chamam no portão, o cachorro late, marido atende, todo mundo entra. Minha mãe vem pra minha varanda, minha avó e Nathália vem pra escada. Eu peço pra fecharem as cortinas, pra ter mais "privacidade" e pro Andrézinho (um dos meus cachorros chama André) parar de latir cada vez que olhar pra alguém, daí minha mãe amarra a cara e começa a falar pra minha vó que está torcendo pra dar tudo certo, que era melhor ter ido pro hospital e as duas ficam ali batendo papo. Até que minha mãe se cala e eu já sei que ela entrou pra ligar pra minha tia, e eu ouço minha avó falando com a minha outra tia e de repente a família tá toda sabendo, porque a Nathália postou no Facebook, e o celular do Valber tá tocando porque as irmãs dele viram no facebook da Nathália e contaram pro pai dele...e assim TEEEENSO!!!!!


O.k  então, parto domiciliar está fora dos planos. (Marido, que é super contra um PD, diz que meu desejo é tanto que acabaremos tendo uns 5 filhos até eu conseguir parir em casa, veremos)
Então vamos escolher um hospital que eu saiba que serei respeitada. Vamos para o Maria Amélia? O Ravi nasceu no olho do furacão, no auge dos problemas lá e a sogra falava num tanto sobre lá que eu acabei achando que o Fernando Magalhães não era assim tão ruim.
Agora as coisas estão mais tranquilas então iremos direto pra lá. Primeira parte tá resolvida!
Mas digam-me, quando ir???

Veja bem, já sou parideira, já fiz isso duas vezes nos últimos 3 anos.  Mas acho que não sei a hora certa de ir...
Igor foi induzido, Ravi empilicado. Quando a bolsa estourar vou direto pro hospital ou posso esperar algumas horas? Morro de medo de ~passar da hora~, esperar de mais e parir no carro, ou esperar de menos e ser encaminhada pro Fernando Magalhães, de novo.
A Rita já me deu a dica de baixar o aplicativo Full Term e só ir ao hospital tendo contrações a cada 5 minutos (ou menos) e com duração de 1 minuto. Alguma outra dica?
No TP do Ravi eu anotei minhas contrações e só fui depois de ter 10 em uma hora, cheguei lá com 4 cm de dilatação, mas acho que fui cedo de mais.

A dica máxima que me dão é: Contrate uma doula.
E eu ando meio brava com isso, vejam bem, doulas são maravilhosas, mas esse lance de a primeira dica ser "contrate uma doula" meio que tira o protagonismo da mãe, não? É como se só fosse possível parir com uma doula do lado.
Em casa eu não quero doula, já não queria desde o Ravi (plano de parto aqui) porque uma doula chamaria a atenção da minha mãe, voltem lá em cima pra simulação, então caso eu contrate uma doula (é uma opção) ela me acompanhará só no hospital onde eu sei que o cansaço me vence e eu preciso sim de um apoio extra.
(Daí o post estava programado há uns dias e hoje descobri que no MMA não pode mais doula e acompanhante, a doula conta como acompanhante e aí eu já fico meio assim porque quero e preciso do marido no quarto comigo)

Justificativa 1: Quando eu digo que o lance de a primeira dica ser "contrate uma doula" tira o protagonista da mulher, eu não estou dizendo que doulas tiram o protagonismo da mãe, ok? Eu estou dizendo que a primeira dica tem que ser conheça seu corpo, seus limites, as fases do parto! Afinal a mulher é quem vai parir.

Justificativa 2: A razão de eu não querer uma doula em casa não é medo, receio ou nada do tipo de perder meu protagonismo. Como eu disse, divido o quintal com a minha família e uma doula entrando aqui causaria uma rebuliço sem tamanho, ia gerar ansiedade na parentada e consequentemente em mim. Eu conheço minha mãe há 28 anos, eu sei que não tem diálogo que faça ela entender, NÃO TEM. Ela não consegue me ver como uma mulher adulta capaz de tomar decisões, não adianta, eu já trabalhei isso na terapia e aceitei (mais ou menos) e entendi que o problema está nela e não em mim. Uma doula aqui ou deixaria ela mais ansiosa ou a deixaria brava por ter chamado alguém de fora ao invés de contar com ela.





Outra dúvida, na MMA pode entrar fotógrafo de parto? Ou pelo menos minha câmera? Morro de medo de fechar com algum, ser transferida pro Fernando Magalhães e perder a chance e a grana.

Acho que por hora é isso...soltem a voz. 

Comentários

  1. Ai Mari essa parte da família é super complicada, tive que conversar muito com a minha mãe,com a minha irmã e com o marido, leva-los até as reuniões para que entendessem que eu estava me baseando em fonte segura sobre o parto que teria,que não era loucura. Uma das condições de deixar a minha mãe participar do parto foi que ela respeitasse o momento, não pedisse para que eu fosse para o hospital, esse tipo de coisa, ela super entendeu e foi muito importante tê-la comigo. Difícil saber a hora certa de ir para o hospital, acho que eu não saberia ainda mais em trabalho de parto...rsrs.
    Torcendo para que tudo dê certo e aconteça da forma mais linda =)

    ResponderExcluir
  2. Mari sou péssima pra dar um conselho desse tipo, RS.
    Fui 3x no hospital achando que era TP e eram podromos.
    A última vez, eu tinha tido consulta e já tava com 3cm no dia, aí a médica fez pq eu pedi o descolamento de membrana (já tava morrendo de dor, só aumentou) e eu fui bater perna no mercado pra comprar ração pro meu gato. Não cheguei nem a ir pra casa. Fui pro hospital contando que receberia uma dose de buscopan e casa. No fim, internei as 18:30, minha bebê nasceu às 23:39 (foi cesárea, mas eu já tava com 9cm, o médico achou q era arriscado esperar o PN, mas enfim).
    Minha mãe falou pra mim o tempo todo que quando tiver pedindo pra morrer, é uma boa hora de ir pro hospital, e isso é bem verdade, pq quando eu tava pedindo pra morrer, já tava com quase 8cm

    Tenho certeza que vc vai saber a hora certa. Comigo eu só queria ir ao médico quando eu tivesse de 3 em 3 minutos. Se vc morar perto do hospital é uma boa. Nesse tempo normalmente é o TP ativo. Quando já tá com mais de 6cm e é quando interna.
    Boa sorte

    ResponderExcluir
  3. Ei querida, vim conhecer seu cantinho e adorei!!

    Sua duvidas são duvidas de todas gravidas, eu mesma, morria de ansiedade, de medo , toda hora achava que já estava na hora de parir.kkkk faz parte!!
    Mais fique tranquilo no final vai dar tudo certo e seu baby vai estar no seus braços lindo e perfeito!!
    Já estou te seguindo, beijos grandes!

    www.aesperadomeubernardo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Olha, super acho válida a sua crítica sobre "contrate uma doula" = "estou repassando meus problemas e minhas responsabilidades".
    Mas vou argumentar umas coisas aqui, tá?

    Primeiro de tudo, queria contar que minhas contrações começaram de 3 em 3 minutos e foram assim até o fim. 11 horas de contrações de 3 em 3 minutos, durando entre 40 segundos e 1 minuto. Dava para acertar o Big Ben com as minhas contrações, de tão perfeitinhas que eram.
    Então, a dica da duração ou do intervalo pode ser uma furada.

    Ai, socorro, então faz o quê?

    Bom, você pode ler muito e estudar muito sobre as etapas do trabalho de parto e ficar atenta (ou treinar o marido, se ele for do time dos que topam entrar de cabeça no assunto) para saber quando você passa da fase latente para a fase ativa. Mas não acho isso uma boa.
    Quando você fica preocupada em controlar o trabalho de parto, pode acabar interferindo no andamento do processo por conta da tensão, da ansiedade ou da racionalidade. O marido pode fazer esse papel, sim. Mas ele precisa ser daqueles que não vão deixar a peteca cair, e que vão conseguir perceber em que estágio você está sem precisar ficar perguntando (já pensou que saco?) de meia em meia hora.
    A doula entraria aí. Ela seria não seu passe livre para sair do protagonismo, mas, ao contrário, seu passe livre para deixar a coisa fluir sem se preocupar com a hora certa de sair de casa e com mais uma aliada para que o plano de parto seja cumprido à risca (ou, pelo menos, ao máximo possível).

    O tempo de bolsa rota (total ou parcial), depende do médico e da sua condição clínica. Conheço casos de bolsa rota parcial por mais de 3 meses, então, com um pré-natal benfeito, o limite da bolsa rota é a saúde de mãe e bebê.

    bjs e continue a nadar!

    ResponderExcluir
  5. Ah, sobre fotógrafo, não sei. Teria que ir a MMA e perguntar. E minha dica é: contrate um fotógrafo bacana e bom de jogo, porque se não der para fotografar o parto, você faz um ensaio depois, com o baby do lado de fora da barriga.
    ;)

    ResponderExcluir
  6. Cá estou eu pra dar mais uma "sugestância". Sobre a questão da doula, eu acho que uma mulher que já passou por um parto ou mais e leu bastante sobre o assunto e sabe como é o esquema da fisiologia do parto e essas coisas não precisa de necessariamente ser uma doula com esse nome. Pode ser uma amiga sua. Eu tenho uma amiga querida que nunca fez curso de doula, mas ela já pariu e leu muito sobre parto (tipo eu e você, rs!), então ela acompanhou uma amiga nossa no seu parto. Era só mesmo pra ajudar no que fosse preciso. Eu acho que pra sua família essa amiga será apresentada como amiga, não como doula. E ela simplesmente vai ajudar você e seu marido a reconhecer como tá o andamento do parto, te dar um copo de agua, um apoio. Na hora do trabalho de parto a gente fica meio fora de si, e cada parto é um parto, as vezes o troço tá andando super rapido e a mulher acha que ainda tá no começo e acaba que o bebe nasce dentro do táxi a caminho da maternidade. Ou o contrário também acontece. É bom de toda forma anotar umas coisas importantes pro marido e falar pra ele: tipo o numero dos bombeiros/emergencia em caso de necessidade. Você estará em outro planeta parindo, ele será a pessoa que tomara decisoes. Essa ideia de pedir ajuda pra alguma amiga sua é só uma ideia mesmo. Quem sabe uma blogueira? Uma prima ou amiga da faculdade?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são moderados para evitar a fadiga, mas não se acanhe e comente ou me sentirei falando sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

A perda gestacional existe...e tem rosto.

Epifanias

5 meses: Celebrações e Desenvolvimento