Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2016

A universidade, a buracracia e uma grávida irritada!

Imagem
Quem me segue no twitter já viu o stress que passei, quem não segue...senta que lá vem a história!!!
Eu me dediquei muito a faculdade esse semestre, pois entraria em regime especial após as primeira provas, atrasei minhas séries tudo, mas minhas notas estão a coisa mais linda de se olhar salvo um 4, o resto foi tudo 10... Pois bem...
Dei entrada no pedido de regime especial e estava aguardando os 10 dias úteis pra que fosse tudo resolvido, agendei horário com a coordenadora pra tirar minhas últimas dúvidas.
Na data e hora agendadas saí de casa e fui ao encontro da coordenadora, mas chegando lá fui atendida pela coordenadora adjunta (que no caso é a professora que me deu aquele 4 supracitado). Fui informada que a única coisa que precisava fazer era ir lá antes do fim do semestre agendar minhas provas, que o processo seria tranquilo. Vim pra casa e qual não foi minha surpresa quando o meu pedido foi indeferido pela coordenadora adjunta por "falta de esclarecimento".
Eu fiquei …

Ansiedade...

Imagem
Por aqui, nada de novo sob o sol...
Como na gestação passada a galera de fora parece estar mais ansiosa que eu, e como eu ando meio ogrona ao invés de ser simpática, sorrir e acenar, ando distribuindo foras.

Sempre que perguntam como estou ou se falta pouco respondo que tem pelo menos um mês pela frente e já fecho a cara, se insistem no assunto parto pra explicação didática, e se mesmo assim insistem digo que não estou com pressa de nada. Aff...Coisa chata!!!
Sábado fomos a uma cachoeira numa cidade aqui do Rio, e os compadres dos meus pais foram encontrar com a gente lá. Eles tem um menino de 4 anos, o afilhado dos meus pais e ela também tem uma menina (mulher vai) de 20 anos.

Ela: - Tá quase saindo já.
Eu: Tem, no mínimo um mês ainda.
Ela: Você que pensa. Fernanda nasceu de 4 meses (JURO QUE ELA DISSE QUE NASCEU DE 4 MESES) e Ramon de 8, minha filha! Não fica achando que falta muito não.
Eu: Eu sei do que eu estou falando, não sou novata nisso é a terceira vez que engravido. Fui a 38 e…

Essa é uma obra de ficção

Imagem
Aconteceu numa cidade muito longe daqui. Um jovem casal teve 2 filhos lindos, com 2 anos e 1 dia de diferença de idade, mas o amor passou e eles seguiram suas vidas. Cada um se casou de novo e dois anos depois do nascimento do caçula tiveram cada um mais um bebê.
Mas o novo marido da mãe não gostava deles por se parecerem com o pai, e a esposa do pai não tinha paciência pra eles, então eles foram morar com a avó materna. A vó vive dizendo que não aguenta mais, que vai devolver pros pais, que não tem obrigação. E a avó paterna que pega todos os fins de semana, vive dizendo que eles são terríveis...
Mas um sábado qualquer a tia avó e a prima gestante, acompanhada do filho apenas um ano mais novo que o caçula foram lá visitar os dois.
E as crianças foram só carinho, beijaram, abraçaram, trataram o primo mais novo com um amor lindo de ver.
E a prima ficou com aquele aperto no coração, vontade de levar pra casa.
5 e 3 anos, precisavam era de amor!
Pai e mãe tinham que priorizar os filho…

És um dos deuses mais lindos

Cade meu bebê que estava aqui?
Ravi não usa mais fralda, não mama mais peito, elabora frases super bem, come sozinho, dorme sozinho. E a cereja do bolo, deixou de ser "Jagi" e agora é "Ravi", com direito a um R bem puxado.
E eu fico pensando como o tempo passou rápido!!!
E fico triste pela pressa que tive. Eu tive pressa de que o primeiro mês passasse logo, eu tive pressa de que ele andasse logo, eu tive pressa...e agora eu vejo que não tem mais volta.
Ele não é mais o Jagi, é o Rrravi, não vai mais dormir no peito e aos poucos será cada vez mais independente...que bom, mas que triste!!! Como estou prestes a começar tudo de novo, terei mais calma dessa vez. O primeiro mês é medonho, medonho!!!! Mas é ali que a gente se conhece e eu vou curtir o máximo possível, porque a privação de sono passa e antes que eu perceba estaremos dormindo a noite toda de novo.  Se você ainda não tem o seu bebê, não tenha pressa.  Se você está no puerpério, apesar de ser difícil, não t…

Pré - ocupações

Eu tinha medo de dar banho em recém-nascidos, eu tinha pavor da ideia de pegar uma criaturinha tão indefesa e enfiar numa banheira, e aí Ravi nasceu e dar banho nele foi tão natural e eu tirava de letra.

Daí eu passei a ter medo do desfralde e do desmame, de não conseguir fazer as coisas fluírem, de não saber respeitar o tempo dele, da minha paciência esgotar. E as duas coisas aconteceram de forma natural e tranquila, sem crise.

Eu tinha medo de não saber educar, de transformar a educação não violenta numa educação permissiva, mas so far so good.

Eu morria de medo de não conseguir ser uma boa mãe, mas eu sei quando ele quer fazer xixi quando está dormindo e consigo levantar, levá-lo no banheiro e traze-lo de volta pra cama, conheço a diferença do choro de sono pra simples manha. E tenho paciência pra lidar com a pirraça, na conversa, na argumentação.

Não estou me gabando dessas coisas não. É só que quando a gente para, pensa e olha pra dentro e pra fora, geralmente, as coisas fazem ma…

Daquelas postagens "desabafantes"...

Tá foda!!!
É, tá foda!!!!

Esses dias precisei parar de fazer um trabalho da faculdade pra por o Ravi pra dormir porque ele estava enjoado de sono e o pai dele tem zero paciência nesses momentos, quer brigar e acaba agindo como se o menino tivesse 20 anos e não 2. Com ele no colo, eu quase chorei pensando que em breve serão 2 crianças e uma Mariana só, cheguei a cogitar a possibilidade de trancar a matricula e só voltar em 2020.
Marido ajuda, vejam bem...divide as tarefas domésticas comigo. Lava banheiro, passa pano na casa, varre, lava a louça, mas quando o assunto é a cria...vish, ele é ótimo pra cuidar quando está tudo bem, mas se o guri estiver como sono, fome ou no meio da noite, aí quem segura a banana sou eu. E isso tá me desesperando, porque eu não sei mesmo como darei conta de 2 + faculdade.
Existem momentos em que eu me sinto sobrecarregada, é muita coisa pra uma eu só e existem momentos em que eu me sinto abandonada!!!
É tipo quando eu preciso de um favor, trocar de horário …

O Kit Higiene Reciclado

Imagem
Era uma vez a mãe de um gurizinho que não estava planejando outra gestação para tão cedo, essa mãe se descobriu grávida assim no susto e entre choros, desespero e uma certa rejeição, ela foi se tranquilizando e começando a se concentrar na parte prática, já que o mal feito já estava feito (Se você entendeu eu gosto 50% mais de você do que das outras pessoas).  Motivada por um misto de culpa pelo Ravi não ter tido NADA comprado exclusivamente pra ele, tudo foi herdado do irmão, pelo meu desejo de personalizar cada detalhe para as duas crianças se sentirem donas de tudo e pelo fato de um kit higiene ser caro pra chuchu, decidi que eu mesmo faria o kit. Ia comprar em mdf cru e usar o curso que fiz pra personalizar do jeitinho que eu queria. Mas o que fazer com o kit azul? Vender talvez? Hummm...ou a gente "recicla". Tira os bichinhos, lixa, pinta de branco e personaliza. Se ficar ruim é só comprar o kit cru e começar de novo, ainda assim vai sair mais em conta que um 0 km.




E …

Pra eu não esquecer 2

Eu acordei cedo, como sempre e comecei a rotina matinal fazendo o mínimo possível de barulho.
Estava parada próxima a cama penteando os cabelos quando ouvi um "mamãe", eu sorri pra ele e ele me sorriu de volta. Eu disse "bom dia, filho" e ele me respondeu com mais um daqueles sorrisos de derreter o coração e então virou pro lado e voltou a dormir.
Minha rotina diária é cansativa, muito cansativa mesmo, as vezes eu tenho vontade de largar tudo e voltar pra cama, de largar absolutamente tudo e me dedicar ao meu filho exclusivamente 24 horas por dia, são nessas horas que o sorriso dele é tão bem vindo, porque me dá forças de continuar. Um dia por vez, um semestre por vez, uma matéria por vez...

Lá fora

Imagem
Há algum tempo eu tenho sentido vontade de me mudar pra um lugar mais tranquilo, mais seguro, menos urbano.  O desejo nasceu ainda na gestação do Igor, eu não queria (e não quero ainda) deixar que meus filhos não pudessem brincar do lado de fora.  O desejo ainda existe e a cada gravidez só aumenta.  Nós moramos em uma casa com um quintal bem grande, tem espaço pra correr, pedalar, encher piscina no calor, temos cachorros (três) e uma gata e eu acho que até que não é tão ruim se pensar em um apartamento, por exemplo.  O problema é que por aqui não tem um lugar pra ir, se eu quiser passar o dia numa pracinha por exemplo NÃO TEM NENHUMA nas redondezas, tinha uma mas o prefeito demoliu pra construção do BRT. Então se eu quiser levar o Ravi pra brincar lá fora preciso me deslocar, no mínimo 7km até o Parque Madureira. O que cá entre nós não é uma situação muito prática, principalmente se levarmos em consideração a criança de 2 anos e a mãe de 2 toneladas e os zero carros que nós temos. Nã…