Sobre heróis e princesas

Todo mundo deve ter visto a matéria sobre os pais que deram ao filho um nome neutro e não contaram pra ninguém se a criança é menino ou menina (caso não tenho lido ainda, aqui).
Eu me acho bem desconstruída, mas achei a coisa toda meio exagerada, já que vivemos em comunidade e isso pode prejudicar mais que ajudar.
Mas, essa matéria serviu para me fazer pensar um pouco na construção de gênero aqui em casa, porque vejam bem, Ravi adora super heróis, tem um montão de Vingadores, mais roupas do Homem Aranha do que eu gostaria, vive assistindo desenhos e filmes do tema (sério, ele já sabe as falas do Guerra Civil). 
Já para Cecília, eu pensei em fazer o primeiro aniversário com tema de Princesas (ou Dra Brinquedo).
E aí ficou minha dúvida, será que eu pago de desconstruída, mas no fim das contas sigo repetindo o que todo mundo faz?
Aqui em casa brinquedo não tem sexo, é de criança e pronto. Ravi tinha inclusive uma boneca no meio dos seus heróis, mas eu guardei há alguns dias pois a avó paterna ensinou ele a brincar de socar a boneca.
Cecília não usa laçarotes, não tem a orelha furada e usa muitas roupas herdadas do irmão, mas também usa um montão de vestidos e sapatinhos cheios de fru fru.
Óbvio que não é só isso que constrói um ser humano mais consciente em relação aos gêneros; Ravi vai ter responsabilidade nas tarefas domésticas tanto quanto a irmã, por exemplo, vai aprender a respeitar as mulheres como seres humanos e que não é não.
Mas e os heróis e as princesas?
Será que estou seguindo o fluxo e incentivando esteriótipos?

Comentários

  1. Questão delicada hein!
    Acho que roupas e acessórios é difícil pois a industria separa demais cores, modelos e estilo. Mas pode-se trabalhar com as crianças justamente como você faz: Brinquedos para todos (meu filho de 20 meses ama brincar de fazer comidinha e de colocar os brinquedos para nanar), comportamento, atitudes, respeito, etc. E claro, atividades da rotina de casa para todos, não só para as meninas que precisam ser belas, recatadas e do la.

    ResponderExcluir
  2. Hum.... Acho que não é princesa ou heroi que vai fazer um cara ser machista por exemplo. Aqui em casa não vemos TV há muito tempo. Depois que Liana nasceu, a unica coisa que vimos foi GOT
    , que passa poucos dias por ano, e só depois que a pequena foi pra cama. Aqui a palavra princesa não é mencionada e por não termos TV e nem vermos desenhos animados, não existem super herois. Mas sei que um dia ela vai descobrir esse universo e vai decidir gostar ou não. A escolha será dela. Nas brincadeiras hoje rola trator de brinquedo, boneca, avião, barco, cachorros de pelúcia, blocos e muito lego... Ela gosta de tudo, papai e eu também!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são moderados para evitar a fadiga, mas não se acanhe e comente ou me sentirei falando sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

A perda gestacional existe...e tem rosto.

Epifanias

Uma Baita Viagem?!