Pensando aqui...

Filhos bagunçam um casamento, isso não há o que discutir.
Tem o puerpério, a privação de sono, a nova dinâmica familiar e o que não era problema vira e muita coisa que já era só piora.
E a gente faz o que?
Espera o primeiro ano passar? De repente é fase, né? Daqui a pouco melhora...
E se não melhorar? Engole o sapo e leva uma vida de resignação porque lá em 1932 ele era um príncipe encantado?
Conversa vai, conversa vem com gente na mesma fase que eu, percebi que sou diferente de algumas. Resignar-me porque lá na frente eu vou sentir falta nem rola!!  Eu reclamo agora, eu resolvo agora e se não der certo, vida que segue...
Será esse o pensamento certo? Será que o casamento não é, também, engolir uns sapos?
Talvez seja, lá por outras bandas...Aqui em casa a gente ou resolve ou encerra. O que não pode é meu filho achar que o homem pode tudo ou minha filha crescer achando que casamento é isso mesmo ou pior, daqui 20 anos eu me pegar arrependida por ter perdido minha vida, identidade e abandonado meus sonhos...
Tô só filosofando, gente... Não há nada pra se preocupar por aqui, por enquanto

Comentários

  1. Por aqui eu fui criada para nao engolir sapo nenhum... e de tanto nao diregir sapos, estou aonde estou...
    acho que devemos dosar os sapos, da pra engolir alguns girinos, creio que casamento tem altos e baixos... só não pode é fechar os olhos e se entalar com um sapo boi! Felicidades!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são moderados para evitar a fadiga, mas não se acanhe e comente ou me sentirei falando sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

A perda gestacional existe...e tem rosto.

Epifanias

Sapos e Princesas