Maternidade e Ansiedade

Existe a ansiedade natural, aquele friozinho gostoso na barriga quando estamos prestes a fazer a viagem dos sonhos ou começas um novo emprego, e existe a ansiedade patológica que aquele que te cega e desespera por algo que, na maioria das vezes, nem ao menos é real.
Lidar com as crises de ansiedade, sem a responsabilidade de cuidar do bem estar de outra pessoa já é uma tarefa complicada e que precisa de psicoterapia, terapia ocupacional e/ou psicotrópicos, agora lidar com a ansiedade patológica e filho(s), meus amigos...
Mas como raios funciona essa tal de ansiedade patológica?
Imagina que você está vendo um filme e de repente seu cérebro diz "Já pensou se tivesse um tsunami no Rio de Janeiro?" e aí você começa a se preocupar realmente com essa possibilidade e tremer, ter taquicardia, falta de ar, mesmo sabendo que é apenas una possibilidade e aí tem o filho que quer atenção, quer brincar, quer carinho, precisa de banho, comer e não entende que você tá ali no meio de uma crise braba por uma possibilidade apenas.

O tsunami é só um exagero a crise vem pela dúvida de como será o TCC com dois filhos, ou  por um "será que isso aqui é sinal de algo sério", e "se eu me separar?", na verdade a crise de ansiedade é sempre causada por um "E Se". E vejam bem, por mais que eu seja uma pessoa que crê em muitas coisas, eu sou uma pessoa que acredita em embasamento científico e que estudou psicopatologias então, por mais que eu saiba que uma meditação é maravilhosa para muitos aspectos, certas coisas se resolvem é na terapia, com exercícios passados por profissionais habilitadas e/ou psicotrópicos e quando alguém sugere apenas "Pensar em outra coisa." é quase ofensivo.

Por aqui, vou vivendo um semestre com TCC, dois filhos, TAG e a construção da Construção, algumas sessões de coaching e terapia, além da milésima tentativa de entrar em forma pra fazer 30 fora da obesidade. Cuidando de um aspecto de cada vez e de todos ao mesmo tempo.

Segue o jogo!

Comentários

  1. Oi Mari,
    um período da minha vida, por 2 anos para ser precisa, eu sofri mt com crises de ansiedade e que vinha em qualquer lugar e a qualquer momento.
    Há 6 anos tive alta total da terapia e dos remédios, tudo com autorização do médico pois não tinha mais crises apesar de está as véspera do meu casamento.
    Sempre tive medo de volta e quando engravidei a 1ª vez tive muito mais medo de voltar e estar gravida ou com um bebe e passar por tudo novamente, mas graças a Deus não tive nada. Agora estou grávida novamente e de vez enquanto esse medo vem, mas tenho confiança que não voltará.
    Sei o quanto é difícil passar por uma crise e com filhos isso piora, mas tenha confiança que tudo dará certo, e sempre tente respirar profundamente e organizar o pensamento que durante uma crise fica a mil.

    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Mari, te entendo tanto.
    É muito muito muito complicado ter uma crise quando se tem filhos. A Agnes já me viu em crise pesada... foi péssimo :(
    E realmente é ofensivo demais quando mandam pensar em outra coisa, rs. Estou beeeem melhor agora que tô na terapia, já não tenho mais a taquicardia e até diminuí um pouquinho os doces.

    Vamos que vamos que uma hora as coisas vão entrando nos eixos e a gente vai estar lidando melhor com tudo isso.

    Beijo beijo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são moderados para evitar a fadiga, mas não se acanhe e comente ou me sentirei falando sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

A perda gestacional existe...e tem rosto.

Epifanias

5 meses: Celebrações e Desenvolvimento