Recomendação de leitura

Hoje eu estou on fire, desde que cheguei em casa estava doida pra postar mas não conseguia pensar em nada. Aí lembrei que nesse final de semana fiquei um tempão lendo o blog da Khatia, me identifiquei com um monte de postagem, chorei um monte e já fiquei na torcida pela chegada da Luiza.
Como disse, me identifiquei com alguns textos e decidi linka-los aqui e comentar um pouquinho sobre eles.

Mãe de Anjo
Nesse texto tem um trecho que diz "Ser mãe de anjo é olhar outras criança e ver nossos anjo nela é pensar que eles estariam assim desse mesmo jeitinho."  E essa foi uma das razões de sair do Facebook a primeira vez, ver todas aqueles bebês que foram esperados junto com meu filho, todos lindos e saudáveis e pensar que meu filho deveria estar ali, nas fotos também, no começo dava uma tristeza sem fim, agora já aprendi a encontrar conforto.
 "Ser mãe de anjo é se sentir irresponsável" Só quem é mãe de anjo conhece essa dor, a dor de se sentir inútil, de se sentir incapaz de cuidar de uma criança que dependia apenas de você pra viver.
"Ser mãe de anjo é ser atriz criar um personagem que se instalou no seu corpo obrigatoriamente,  sorri querendo chorar... dizer que esta bem querendo gritar não estou bem!!!" Passei tanto tempo fingindo pra todo mundo que estava bem, que estava tranquila quando tudo que eu queria era chorar deitadinha na cama.

Mães de filho natimorto
Muito recomendo esse texto. É informativo e eu torço pra que não aconteça com ninguém que vocês conheçam, mas ajuda a saber como se comportar caso aconteça.
" além de terem dificuldades em conviver com o silêncio que as pessoas ao redor impõem em relação à perda da criança." Sério, gente? Tenho sofrido MUITO com isso, falar o nome "Igor" é proíbido, as pessoas da minha família agem como se de fevereiro a outubro do ano passado não houvessem existido. Menos de um mês depois do meu parto me disseram que eu estava gorda e quando eu respondi que havia parido há menos de 20 dias (15 exatos dias) um silêncio gigantesco imperou na sala da minha vó, como se eu tivesse dito algo muito feio e impedoável, demorou quase 5 minutos até voltassem a falar.
"Muitas vezes as ações promovidas para manter o bem-estar da mulher são impróprias e acabam piorando seu estado emocional, o seu luto” Um exemplo: Mural de fotos das crianças do diário e uma foto minha no meio. Por quê? Sério, por que? A última coisa que quero é que me tratem diferente ou que me excluam das coisas, mas um poquinho de bom senso faz um bem danado (especialmente pra mim)

Enfim, se você como eu adora blogs de gravidez e maternidade a Luiza tá chegando e o blog da Khatia (nome da minha mãe) está lá, o título das postagens é link pra postagem original do blog dela, mas vocês devem ter percebido isso  e o blog é gostosinho de ler, a gente passa da perda da Laís pra chegada da Luiza, dá um ânimo gostoso, uma vontade boa de seguir em frente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pensando aqui...

A perda gestacional existe...e tem rosto.

Epifanias