Vida de Índia

(Antes de mais nada, gostaria de dizer que estou postando a MINHA opinião no MEU blog. Discordar de qualquer coisa é direito seu, assim como ter a seguinte opinião é direito meu.)

Desde antes de engravidar ou de pensar em engravidar, tinha minha opinião formada sobre parto, amamentação e maternagem, desde sei lá eu quando, tinha certeza que não passaria por uma cesária e não sei bem explicar o porque (sei sim, tenho um medo do cão de cirurgias). Esse universo maternístico (inventar palavras, vale?) sempre me fascinou, tanto que desde que tenho TV por assinatura (Era Directv, cês lembram dela?) meus programas favoritos estavam na Discory Health - A História do Bebê e Maternidade -, hoje o Home & Health ainda é o canal que eu mais assisto quando sento pra ver TV, mas o programas de maternidade desde outubro último são evitados já que é só eu ver um parto pra eu abrir a boca. Nos tempos do falecido orkut, eu tinha um perfil fake que participa de um monte de comunidade de maternagem, participava as in ficava lendo os forúms tudos e ficava doida pra compartilhar minhas impressões, mas menina de 16/17 anos, solteira e sem filhos seria vista feito doida, enfim...
Toda essa busca por informações, notícias, vídeos e tudo mais só reforçou meu sonho de parir, amamentar exclusivo por no mínimo 6 meses, me dedicar exlusivamente (ou o máximo possível) a criança por pelo menos os 12 primeiros meses.
Bom como dito antes, desde o parto do Igor eu havia me afastado de tudo isso, até que na última sexta uma amiga curtiu uma postagem do MenasMain e, conhecedora do termo, não pude deixar de ir conferir a página...e dei tanta risada que me peguei lendo todas as postagens (se isso não é uma sexta a noite fora de série, não sei o que seria) e de lá fui levada para o Mamíferas ondem conheci as tirinhas da Heather Cushman-Dowdee e dei mais um monte de risada e quando bem vi, estava me afogando nessa realidade maternal de novo.

Depois de ter passado por um parto normal (sem anestesia e sem o bebê fazendo força junto comigo), passo por mais uns 5 (que namorado não nos leia rsrs) brincando. Dói! Dói pra caramba! Mas acabou eu estava linda, bela e saltitante, 5 dias depois do parto já estava pronta até pra dançar, sem exagero nenhum. Não tive a chance de amamentar, mas tive leite que não acabava mais, mesmo tomando remédio, fazendo compressa, deixando os seios apertados na gaze E no sutiã ainda tive leite por mais de uma semana, ou seja, sou leiteira! As vendas da loja são bem sazonais e nem se compara a ter um dinheirinho certo no 5° dia útil, mas mesmo assim acho que dá pra segurar por um ano. Então meus planos para o futuro envolvem sim, uma vida de índia...dessas que não vai parir escovada e maquiada, que faz força pra conhecer o rosto do filho e que põe os seios amostra quando o bebê sente fome. Meus filhos (assim no plural que eu sou gulosa) não vão beber refrigerante ou comer besteira pelo máximo de tempo que eu puder evitar, minha filha não vai ter orelha furada (e que minha mãe não ouça) e TV vai ser só de vez em quando e programas adequados a sua faixa etária. Porque eu quero ser Índia, afinal de contas só vou estar puxando pelo sangue, já que minha bisa era índia.



(Não ficou igual ao outro, ficou bem piorzinho...mas eu espero que o blogger não apague de novo)

Comentários

  1. Concordo com TUDO que você escreveu! Há uns 4 anos atrás eu lia muito o Mamíferas, mas depois de ler uns posts muito xíitas com a questão da cesárea, fiquei meio nhé e parei de acessar. Mas vou dar uma passada lá de novo, vai que elas esetão mais brandas com esse tema né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ju, conheci elas agora...tem um pessoal bem extremista mesmo. Durante a gravidez vi bem os dois lados, as que defendem o PN e as que defendem a cesária. Eu acho que a decisão cabe somente a mulher, por isso a minha está bem tomada, de resto só me resta torcer que dê certo.

      Excluir

Postar um comentário

Os comentários são moderados para evitar a fadiga, mas não se acanhe e comente ou me sentirei falando sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

Epifanias

A perda gestacional existe...e tem rosto.

5 meses: Celebrações e Desenvolvimento