Relato de Parto

Na segunda-feira, dia 25/11, fui acompanhar minha mãe até a farmácia de manipulação e aproveitar pra dar uma volta, ver rua e tomar ar, já que no final da gravidez eu quase não saia de casa. Andamos por horas, conversamos, comemos sacolé (cada região chama de um jeito) e voltamos pra casa. O melhor do passeio foi que estava me sentindo linda, coisa que não sentia há meses...até decidi tirar uma foto pra lembrar depois.
Favor não reparar a bagunça da sala, obrigada.

Quando cheguei estava com uma dor nas costas que beirava o insuportável e umas contrações fraquinhas, que tinham cara de pródomos...joguei umas almofadas no chão, sentei e fui assistir uns seriados pra relaxar, mas a coisa não melhorava e não piorava também. Nessa hora entrei em meditação e pedi as dores pra ficarem mais fortes, porque tava na hora, porque eu não aguentava mais e conversei com o guri também, disse pra ele que já tava tudo pronto e que só faltava ele. Decidi tomar um banho morno e fazer um escalda pés pra aliviar aquela dor chata nas costas. 
Marido chegou, jantamos, assistimos 3 episódios de Trato Feito e as dores ainda estavam lá, a cada 15 minutos mais ou menos, mas sem dores fortes o que me deixava meio p da vida...mas marido estava esperançoso, tanto que até avisou a mãe dele que talvez aquele fosse o dia. Assitimos The Walking Dead e depois S.H.I.E.L.D. e aí ele decidiu ir deitar, já que no dia seguinte ele teria que ir trabalhar.
Eu fiquei no notebook ouvindo música, mas não a playlist que preparei pro TP, afinal não era TP e decidi contar quantas eram num intervalo de uma hora. Ficamos conversando e ouvindo música e nada de eu sentir sono ou das dores ficarem mais fortes...Nessa hora ainda brinquei e convidei o marido pra namorar, já que fosse mesmo TP sexo a gora só em 2014, mas nem rolou e ainda tomei bronca rsrs...E as dores foram ficando cada vez mais "regulares", em um intervalo de 1 hora vieram 11 contrações. Decidi tomar um caneca de Nescau quentinha porque estava azul de fome, e mais um banho morno pra relaxar....
Acho que fiquei quase 1 hora debaixo do chuveiro e quando saí as dores ficaram bem perto do insuportável e decidi que era hora de ir pro hospital. Liguei pra minha mãe e mais ou menos 2 minutos depois ela já estava pronta na minha porta.
E lá fomos nós...
Chegamos no Fernando Megalhães 00:45h e eu fui pra classificação de risco. Aferi a pressão e fui encaminhada pra emergência. A 1ª GO da noite veio me atender, e perguntou a quanto tempo eu estava sentindo dores...informei que as contrações começaram fracas e irregulares por volta das 16h e ela me deu um baita esporro por ter esperado tanto tempo pra ir pra maternidade.  Daí ela me informou que a maternidade estava lotada e que chamaria uma ambulância para me transferir para o Hospital de Acari ou para o Mariska, perguntei se não podia ir embora de carro então, e fui informada que precisava aguardar pois se fosse de carro não seria aceita em hospital nenhum. Confrontei o fato de garantirem que sempre há vaga pra você em seu hospital de referência e fui informada na maior rispidez que "não tinha vaga" e pronto...me fez o toque e eu estava com 4 cm. Ela disse as enfermeiras que me deixassem lá até a ambulância chegar e subiu.
Fui caminhar pelos corredores do hospital pra ver se o tempo passava logo e bendita ambulância chegava, as vezes andava até onde meus pais e o marido aguardavam. Assim que soube que eu seria transferida marido disse "era melhor ter ido direto lá pro Centro."...querendo dizer que era melhor ter ido ao MMA.
Depois de uma hora mais ou menos as contrações foram ficando menos espaçadas e mais doloridas e voltei pra sala de emergência pra avisar que a coisa tava piorando. A enfermeira me informou que era normal e me mandou deitar um pouco. Deitei e fui tirar um cochilo, meia hora depois fui atendida pelo segundo GO da noite.
Ele veio, me deu o toque e me informou que eu estava com 5 cm! E que era pra eu ficar deitada até a chegada da ambulância, levantar só pra ir ao banheiro. Perguntei se não poderia andar pelos corredores e ele me disse que em trabalho de parto era proibido andar (nessa hora senti pena das mulheres que não se informam durante a gravidez e deixam que os GOs sejam os Deuses dos seus partos). Voltei pra maca e tentei dormir até ele  sair da sala.
As 03h o GO grosso deixou a sala de emergência e eu voltei pra caminhar no corredor, mas não consegui dar mais de 3 voltas já que meu pai começou a me mandar ir deitar e como não estava com disposição de brigar, voltei pra sala. Sentei numa poltrona pra cochilar e sempre que as contrações vinham me colocava de cocoras e lembrava do meu infeliz pedido de que as dores ficassem mais fortes...e pensava nas mulheres que tem partos orgásmicos e sentia uma puta inveja! Porque tudo que eu sentia era dor!
As 4h veio a terceira GO da noite, me encaminhou pro cardiotoco e eu já fiquei tensa! Os batimentos do Ravi começaram a cair e a EO veio com uma buzina lazarenta e os batimentos foram de 122 pra quase 200...pense num susto que deram no moleque. E veio me fazer o exame de toque...Exame feito ela saiu da sala e eu a ouvi dizendo "não dá pra esperar ambulância não, ela já tá com 8 cm. Manda ela subir pra um dos leitos vazios."
Fiz exame de sangue, chamaram o marido, vesti aquela camisolinha reveladora e subi...
Fui direto pro chuveiro tomar um banho quente pra relaxar e vi no cantinho bolas suíças, pensei em voltar pra rebolar na bola depois...voltei pro meu cúbiculo e me deitei de lado. As contrações não davam mais folga e estavam beirando o insuportável, eu estava morta de sono e pensava em como seria ótimo uma epidural ou uma paulada forte na cabeça pra eu ficar inconsciente sei lá...qualquer coisa que aliviasse as dores. E então lembrei que não havia ligado pra doula!!!! Que tipo de índia ativista é essa? Ai ai...
Pedi ao marido que assim que nascesse ele ligasse pra minha mãe, pra Dany e pra Isa...e fiquei lá deitada.A cada contração eu dava um gemidinho e marido massageava minhas costas e falava amenidades pra me distrair.
E então veio uma dor horrível, meu corpo se dobrou e, sozinho, fez movimento de expulsão. Já havia sentido isso antes, quando pari o Igor e sabia que tava na hora. Pedi o marido que chamasse a EO e avisasse que estava na hora, ele saiu meio atordoado e eu a ouvi perguntar se a bolsa havia rompido, diante da negativa dele, ela informou que era pra eu esperar porque definitivamente não estava na hora.
Mas eu conheço meu corpo, eu já pari uma vez, eu sei que tá na hora e insisto...
"Levanta, caminha um pouco, vai tomar banho. 7 horas a dra vem te dar o toque, não tá na hora."
Okay então...continuo tendo as contrações "normais" e cada 2 ou 3 dela vem uma "expulsiva" , a cada contração normal eu inspiro pelo nariz e expiro pela boca e a cada expulsiva eu grito, ora palavrões, ora interjeições religiosas.
As contrações expulsivas vão se tornando as únicas e eu chamo a EO que vem mais grossa que muro chapiscado.
"A bolsa já rompeu?"
"Não."
"Então não tá na hora, quiser fazer força, você faz. Mas ainda não tá na hora. Vou te dar o toque aqui pra você ver que falta ainda."
Nesse momento ela se vira pra trás e...
"Fulana, manda chamar o médico que tá saindo aqui."
Então ela me instrui a empurrar, mas sem gritar diz que não vai dar "cortinho" porque o bebê abrindo seu próprio espaço causa menos estragos (ufa, sem epsio)
Inspiro o máximo de ar que consigo e AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH faço o máximo de força também...e nesse momento sou apresentada ao tal "círculo de fogo", takiupariu, como dói!
"Faz força de novo, mas dessa vez sem gritar porque se você gritar vai dar ar e seu bebê vai subir de volta. Concentra a força do grito pra empurrar"
Imagem daqui
De novo, respiro o mais fundo possível e AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH e foi!
Ela coloca o bebê sobre a minha barriga. Só tem um detalhe...ele ainda tá dentro da bolsa. Ela rasga a bolsa e eu fico coberta de líquido aminótico...
Eles carregam meu filho embora e ela vem ver se preciso de pontos, mas não precisei.
Olho pro marido que está acompanhando cada movimento que fazem com o Ravi com a maior cara de bobo do universo. "Ele é compridão.". É só o que ele me diz.
Não sei depois de quanto tempo me devolvem meu filho, ele vem todo empacotado (e por isso papai e eu só o chamamos de pacote) e vai direto pro colo do pai, que toma posse e não me entregou por quase 2 horas...

E assim nasceu meu sol, pra clarear e iluminar a parte da minha vida que estava bem escura. O parto não foi nem de longe o parto dos meus sonhos, passei por 3 GOs, onde 2 me trataram hiper mal, fui obrigada a esperar um bolsa, que não rompeu, romper antes de fazer força, meu filho não veio direto pro seio. Faltou, acima de tudo, respeito. Mas o importante é que apesar de tudo eu pari e pari um super moleque

Comentários

  1. Lindo é tudo que consigo escrever em meio as lágrimas aqui...

    ResponderExcluir
  2. Mari do céu, que intenso seu relato!!
    Fico impressionada com a falta de respeito e empatia desses profissionais. Isso tem que mudar... e que coisa esse "manda ela prum leito vazio". Quem era mesmo que não tinah vaga? Aiaiai viu.

    Mas sem episio, sem sorinho, sem pontos e com UM BEBÊ DENTRO DA BOLSA. Isso é tão incrível, tão mágico. Sempre fico emocionada <3

    Parabéns pela força e pela garra, minha amiga. Ler seu relato de parto com final mais do que feliz acalma meu coração.

    Beijo grande em vocês!

    ResponderExcluir
  3. Que coisa liiiinda Mari!
    Graças a Deus deu tuuudo certinho *.*

    ResponderExcluir
  4. Divino! Parabéns! lindo lindo e lindo..

    ResponderExcluir
  5. Um bebê empelicado? Não é sinal de sorte?
    Que mááximoo!!!
    Quanto à VO, fomos vítimas, mas pelo menos tentamos lutar contra o sistema.
    E estamos vivas e os bebês estão bem, e apesar de endossarmos o numero de violentadas, o mais importante está no nosso colo e nos tirando noites de sono!
    Saúde p vc e pro Ravi!!

    ResponderExcluir
  6. Lindo, lindo! Quanta força Mari, parabéns! Deve ser a coisa mais linda parir um bebê empelicado.

    É uma pena que a violência obstétrica ainda impere nesse país, mas pessoas como você vão ajudar a mudar esse quadro. Parabéns!

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Quase chorando! Lindo. Parabéns!
    Deus sabe de todas aa coisas e te enviou um lindo sol! Parabéns Mariiii,,, #sempalavras

    (cadê a carinha do whats de choro pra eu finalizar?)

    ResponderExcluir
  8. Mari, lindo relato... parabéns! O mais importante é que o Ravi chegou lindo trazendo muitas alegrias pra vcs...

    ResponderExcluir
  9. Lindo relato Mari! Parabéns... O mais importante é que Ravi chegou lindo e trazendo muitas alegrias pra vcs... Chato ter que pensar nos problemas principalmente da formação desses profissionais...

    ResponderExcluir
  10. Que lindoooooo, nasceu dentro da bolsa? Uma dádiva!

    parabéns, belo nome do bebê :)

    Beijos
    http://www.blognossahistoria.com/

    ResponderExcluir
  11. O mais importante disso tudo é que seu moleque taí nos seus braços, lindo, saudavel. A verdade é que nem sempre é como a gente sonha.
    Bjs Carlah Ventura - Intensa Vida

    ResponderExcluir
  12. Lindo, Mari!!!
    Pela sua força, pela "índia empoderada" estando mais informada que os babacas que atendem mal, pelo bebê empelicado (de arrepiar!!!), pelo sol como final (e começo) de uma história tão iluminada!!!

    Que delícia isso tudo!
    Beijos nos dois!

    ResponderExcluir
  13. Ravi, um neném compridão que tem uma mãe guerreira, forte pra caramba! Parabéns!!!! Você não teve respeito no seu parto, mas que bom que você tinha informação, minha querida! E agora você tem o "pacote" mais lindo nos seus braços! Um bebê empelicado deve ser mesmo muita sorte! Beijo!

    ResponderExcluir
  14. Mari apesar de toda a parte ruim de uma equipe despreparada, e é isso que digo que acontece aqui infelizmente, o importante é que Ravi está bem, cheio de saúde !!

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Louca esperando esse relato rsrs....
    Ate nesse momento vc é engraçada ...
    É realmente falta mais compaixão nessa área principalmente desses médicos que cada dia me surpreende com suas atitude .
    O bom é que o Ravi tá ai lindão e com muita saúde .
    beijos amada e mais uma vez parabéns.

    ResponderExcluir
  16. Parabéns pela chegada do Ravi!!! Parabéns pela escolha e perseverança pelo PN! Emocionante!!! Bjs

    ResponderExcluir
  17. Mari, vc é muito guerreira mesmo, amiga... Já sabia disso, mas pelo seu relato passei a ter certeza...
    Sem comentários sobre esses médicos...
    Parabéns pelo Ravi.. Amei seu relato...

    beijooos

    http://esperadomeupresentinho.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. lindo lindo lindo...chorei!!!que esse sol iluminem intensa e incessantemente seus dias!!vc é uma guerreira e merece toda e muitas outras felicidades q estaum por vir!!!agora,cada dia não é menos um,e sim MAIS UM!!!!!que deus os abençõe!!

    ResponderExcluir
  19. Parabéns!!! Apesar de todos os pesares que vc passou, graças a Deus foi tudo perfeito, mas que GOs hein... meu Deus fiquei com raiva da louca da bolsa aqui e queria ter visto a cara dela quando foi fazer o toque para te provar que estava errada e já viu o Ravi chegando.

    Beijos

    ResponderExcluir
  20. É amiga o parto nao é nada facil né...passei uma dor lascada também e gritava igual louca kkk
    Depois que nasce a gente esquece tudo né...
    Que Deus abençoe vcs....
    Beeijão

    ResponderExcluir
  21. Tava tão ansiosa por esse relato! Li logo que saiu, mas não pude comentar. Volto agora com calma. Mari, te admiro demais, já te disse? EMPODERADA com todas as letras maiúsculas. A informação fez toda a diferença. Muito, muito triste a forma como vc foi tratada nesse momento. E eu penso: e as que não são ela, que não têm toda a informação e toda a força que a Mari tem? E fico triste. Mas feliz de quem, tendo acesso à informação, consegue fazer bom uso dela, com muita coragem. Parabéns, Mari.
    Não vou dizer aqui que poderia ter sido pior, você poderia ter tido o seu parto roubado, ou que o que importa é que vcs saíram com saúde. Eu acho que a violência obstétrica é algo muito sério para se passar por cima. O que eu desejo é que o seu coração já esteja curado, e que vc tenha certeza de que o que dependeu de você, esse parto foi perfeito!!! Parabéns pela força, parabéns pelo Ravi, o bebê empelicado! <3

    ResponderExcluir
  22. Só agora li seu relato, e que relato!!!! Pode ter faltado tudo isso que você sonhou e disse aí em cima, mais o importante é que você pariu!!! Não teve pontos e seu Ravi chegou ainda dentro da bolsa, deve ter sido lindo!!!!! E seu marido?! Que fofo (com todo respeito ok?!) de ter ficado ao seu lado o tempo todo, de ter segurado Ravi assim que ele veio ao mundo....Enfim, pode não ter sido o parto dos seus sonhos, mais foi emocionante e vocês estão bem, é o que importa.
    Estou tão curiosa pra ver uma fotinho!!!!
    Bjusss
    http://seraquevousermae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  23. Amei o modo como vc escreve!!!!!!! Janaína.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são moderados para evitar a fadiga, mas não se acanhe e comente ou me sentirei falando sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

Pensando aqui...

A perda gestacional existe...e tem rosto.

Epifanias