Contestando autoridade

Olá, olá...
Como estão? Sinto uma falta danada de postar com mais frequencia, tem tanta coisa pra contar (e pra eu ter escrito depois e poder lembrar com todos os detalhes), mas acabo não tendo tempo e quando sobra tempo, não dá vontade. Mas hoje aconteceu um negócio chato e preciso da ajuda de vocês.
Estávamos hoje curtindo um domingo de preguiça, até que minha mãe chegou da missa e levou o Ravi pra casa dela, meu pai chegou logo depois e o levou pra brincar no carro enquanto mexia no motor. Passados 10 minutos, minha mãe entra com Ravi no colo, e segue o seguinte diálogo.

Ela: Ele entrou pra tomar banho e por uma roupa bonita pra ir dar uma volta com o avô dele,
Eu: Não é assim não. Dar uma volta aonde?
Ela: Não sei.
Eu: Não. Se eu não souber onde vocês vão levar ele, eu não vou deixar levar. Ravi tem 1 ano.
Ela: Não sei, deve ser ir na feira e depois almoçar.
Eu: Como vocês vão fazer com o Ravi?
Ela: (Enquanto ia tirando a roupa do guri e o enfiando no tanque) Não sei, nem sei se é feira. Fala com seu pai, sei lá
Eu: Ele já tomou banho.
Ela: Ele tá suado, sujo, mijado. Mas deixa.
(Então ela se dirigiu direto ao Ravi)
Vai com a sua mãe, que ela não quer deixar você ir pra rua com a vovó. Tchau.

E pronto!
Ravi, que ama rua, abriu a boca a chorar e começou a pirraça, e arranhou meu rosto. Eu com o sangue quente de raiva precisei contar até meio milhão pra não perder a paciência com ele (ou com ela) e o acalmei e ele agora dorme tranquilo e sereno. E eu vim aqui pedir SOS.
Não é a primeira vez que meus pais desafiam minha autoridade quanto a criação do Ravi, algumas vezes me parece que eles não entendem que o filho é meu, que eu tenho quase 30 anos e que sei o que estou fazendo (algumas vezes). Mas, hoje me aborreceu muito, fiquei mega triste ao pensar que isso pode se repetir no futuro e ele ficar com raiva de mim porque eu "não deixei sair". Eu sei que preciso (preciso mesmo?) contestar meus pais e explicar que assim não dá, que algumas coisas tem que ser do meu jeito, que a mãe sou eu e tudo mais, mas queria tanto que tivesse um jeito mais fácil. Sei lá...de repente me mudar pra Croácia e vir aqui uma vez a cada 3 anos....
E aí?
O que me dizem?




Comentários

  1. Saudade amada tbem to sumida entrei so para deixar um enorme beijo e um cheiro para o gatão .

    ResponderExcluir
  2. Ai, Mari, que difícil! Te entendo tanto!
    Aqui eu moro do lado dos meus pais (quando ela nasceu ainda era na mesma casa), e é quase assim também. Acho que vai ficar ainda mais a medida que ela for crescendo, né. E algumas vezes me falta paciência, e como falta!
    O que eu faço é já ir dando umas cortadas, assim como você fez. e ressaltar os pontos positivos das coisas que "são do meu jeito", sabe como? Tipo: agora ela é segura pra ir no colo dos outros porque eu nunca deixei chorar... essas coisas.
    Não sei se te ajudei muito. Na verdade essa é uma questão aqui pra mim também. O jeito deles (a época deles, rs) é muito diferente do nosso. Mas sim, eu acho que tem que haver respeito pelas decisões dos pais, não pode ser bagunçado, rsrs.

    Se vc for pra Croácia eu posso ir junto? o//

    Me chama pra conversar se precisar, tá?!
    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  3. o AMIGA...OLHA É DIFICIL MESMO ESSA SITUAÇÃO, MAS AS A AUTORIDADE É SUA, A MAE E VC....E ISSO DEVE ESTAR BEM CLARO NA MENTE DELES E DA SUA E EM HIPOTESE NENHUMA NADA DEVE SER PASSADO SOBRE A AUTORIDADE DOS PAIS, AINDA QUE ESSES ESTEJAM APRENDENDO A SER PAIS, COMO NOS MARINHEIRAS DE PRIMEIRA VIAGEM, ASSIM COMO FOI UM DIA COM NOSSOS PAIS...BJS

    ResponderExcluir
  4. Dificil msm!!!
    Certeza que vou passar isso com os meus pais!!!
    Beijos

    www.maisque6.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi, Mari!
    Então, mudar pra Croácia e ir pro Rio só 3 vezes ao ano não é uma boa opção (palavra de quem mora em Boston e vai pro Brasil 2 vezes a cada ano!). Na minha opinião o melhor seria você falar com a sua mãe sem o Ravi por perto. Ter uma conversa bem franca com ela, explicar que tirar a sua autoridade perto do Ravi não é bom - na verdade é péssimo. Espero que você consiga resolver isso. E talvez mais pra frente consiga morar um pouquinho longe dos seus pais (espero que não na Croacia!)
    Beijos,
    Rita

    ResponderExcluir
  6. É, sem dúvida essa é uma vantagem de estar longe!
    Aqui tb tenho a sorte de ter um marido meio desbocado, que fala diretamente e sem floreios o que precisa ser dito, coisa que eu não costumo conseguir fazer...rs
    Meus pais até que respeitam, mas vira e mexe ouço comentários irônicos sobre algumas das nossas escolhas..

    Uma coisa que funciona aqui é conversar meio num tom de pedir ajuda, sabe?!
    Sentar e dizer honestamente que vc ficou triste com a situação, que não sabe como fazê-los entender a importância da suas escolhas, que vc já é grandinha...e pedir "a opinião" de como fazer pro Ravi não ficar bravo com vc em situações assim...nesse tom de "tô triste, me dá colo, me ajuda", talvez ela ouça melhor que em tom de briga, será que não?!
    Sei lá, acho que pais (avós) gostam de sentir que ainda podem ajudar em algo!

    Beijo!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são moderados para evitar a fadiga, mas não se acanhe e comente ou me sentirei falando sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

Pensando aqui...

A perda gestacional existe...e tem rosto.

Epifanias