Essa é uma obra de ficção

Aconteceu numa cidade muito longe daqui. Um jovem casal teve 2 filhos lindos, com 2 anos e 1 dia de diferença de idade, mas o amor passou e eles seguiram suas vidas. Cada um se casou de novo e dois anos depois do nascimento do caçula tiveram cada um mais um bebê.
Mas o novo marido da mãe não gostava deles por se parecerem com o pai, e a esposa do pai não tinha paciência pra eles, então eles foram morar com a avó materna. A vó vive dizendo que não aguenta mais, que vai devolver pros pais, que não tem obrigação. E a avó paterna que pega todos os fins de semana, vive dizendo que eles são terríveis...
Mas um sábado qualquer a tia avó e a prima gestante, acompanhada do filho apenas um ano mais novo que o caçula foram lá visitar os dois.
E as crianças foram só carinho, beijaram, abraçaram, trataram o primo mais novo com um amor lindo de ver.
E a prima ficou com aquele aperto no coração, vontade de levar pra casa.
5 e 3 anos, precisavam era de amor!
Pai e mãe tinham que priorizar os filhos e não agir como se só os filhos do atual cônjuge existisse...
Ainda bem que essa história é fictícia... Ainda bem que nenhum pai abandona os filhos porque o relacionamento acabou....
Graças a Deus essas coisas não acontecem na minha família.

Imagem meramente ilustrativa

Comentários

  1. isso é triste demais, e tá se tornando tão corriqueiro, que parte o coração! N consigo entende como podem fazer isso!
    beijos amiga!!! :*

    ResponderExcluir
  2. =( , muito triste! O que eles mais precisam sempre é de amor!

    ResponderExcluir
  3. Ainda bem que, nesta história, eles encontraram amor da prima e do primo.
    <3
    E pra pensar aqui: será que esses pais também não precisaram de amor quando crianças e não encontraram? Aí fica complicado dar o que não tem ou o que não se sabe como acionar, ne? Só pensando, porque é uma história fictícia que só a autora dela sabe os detalhes completos.
    ;)

    ResponderExcluir
  4. A Ártemis tá certa: é um ciclo vicioso. Quem não tem amor dos pais tem muita dificuldade em demonstrar amor, e assim vai indo o ciclo. Essa historia, apesar de fictícia, é muito comum :(

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são moderados para evitar a fadiga, mas não se acanhe e comente ou me sentirei falando sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

Pensando aqui...

A perda gestacional existe...e tem rosto.

Epifanias