Surreal

36 semanas!
Vejam bem, 36 semanas.
E a coisa toda ainda me parece surreal vez ou outra.
Eu estava tomando anticoncepcional, planejando me recolocar no mercado de trabalho, participar do Programa Escolha Sua Vida e/ou do Fórmula de Lançamento pra que meu curso de coach rendesse clientes e eu ganhasse, pelo menos, o que paguei, começar meu TCC...enfim, eu tinha um montão de planos pro ano de 2016 e daí um dia eu estava grávida!
Foi um começo difícil, eu chorei, fiquei umas boas noites sem dormir. Eu não achava justo ter engravidado naquele momento enquanto tinha gente que queria engravidar e não conseguia.
Eu levei tempo pra aceitar e eu encarei toda essa rejeição sozinha, porque eu não queria falar em voz alta o que eu estava sentindo, porque eu não estava na vibe de ser julgada.
Aí nós fizemos a TN e eu vi um bebê, um micro humano, ouvi um coração batendo e, confesso, me resignei. Tinha uma outra criança a caminho e não tinha muito mais o que fazer. Como diz minha mãe "o que não tem remédio, remediado está".
Vão se fazendo outros planos, repensando algumas coisas. A formatura pode esperar, é o jeito... A volta ao mercado de trabalho se faz mais difícil, dois filhos pequenos prejudicam nas entrevistas....e aí nasce uma revolta, uma vontade de mudar isso. E começam novos planos, nascem novos desejos...
A vida é assim, no fim das contas.
E agora falta pouco, de 2 a 6 semanas...e aí a gente começa, oficialmente, tudo de novo. Pela última vez? Será?
E que os céus me ajudem!

Comentários

  1. Mari, surreal como a vida acontece de um jeito completamente diferente do que um dia pensamos, né?
    Eu gosto de acreditar que sempre podemos aprender e aproveitar o que quer que venha. E quando o que vem é uma VIDA nova, não tem como não ter muita cor e muitas possibilidades.
    O novo está vindo, respira fundo e vai! <3
    Estamos aqui contigo!

    Beijo grande e abraço apertado!

    ResponderExcluir
  2. Acredito muito nesta frase "o que não tem remédio, remediado está", porque no fim das contas é assim mesmo, nos adaptamos, rebolamos, reinventamos para dar conta de tudo. Deve ter sido difícil e doloroso não poder desabafar por medo de ser julgada =(...Será que não terá o terceirinho?! Rsrs...
    Mari muita força, fé e paciência, fica tranquila que no fim tudo se ajeita =)
    Bjs em vcs!

    ResponderExcluir
  3. Sempre reformulando os planos ne Mari. Eu te entendo perfeitamente!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são moderados para evitar a fadiga, mas não se acanhe e comente ou me sentirei falando sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

Pensando aqui...

A perda gestacional existe...e tem rosto.

Epifanias