Sobrecarga

"Cada escolha uma renúncia."
É assim que as coisas são, né? Quando você escolhe uma coisa, automaticamente abre mão de muitas outras. Quando escolhi manter a gestação da Cecília, renunciei a formatura em dezembro de 2016.
Apesar da escolha ser óbvia, por motivos diversos, a renúncia não foi fácil, não é fácil, ainda. Tenho tido dias de um bode danado. "O que raios eu fiz com minha vida?"
E não pode, né? Porque ai de mim reclamar dos rumos da minha vida, afinal eu dei porque quis, fiz filhos porque quis, eu que aguente. É isso que nossa sociedade de eleitores de Trump e Bolsonaro tem a dizer.
E meus filhos são lindos, saudáveis. Tô reclamando de que?
Se o Ravi tá mais enjoado que nunca, chorão, carente é só eu fazer ele participar das atividades, tirar 15 minutos do dia só pra ele, explicar que ele tem uma irmã agora...é tão simples.
O marido divide as tarefas domésticas, eu quero mais o que? Pra que exigir que ele tenha proatividade no cuidado das crianças? Ele já cuida da casa, tô no lucro.
E a faculdade? Não me formei ainda porque não quis, quanta gente se forma no tempo certo com filhos.
E esse cabelo ressecado e mal tratado? E o sobrepeso beirando a obesidade? Isso é relaxamento, tanta mulher consegue se manter linda mesmo com 3, 4 filhos.
"Cada escolha uma renúncia"
A gente escolhe todo dia, a gente renúncia todo dia. O tribunal social civil nos julga todos os dias, o tempo todo.
A mim, nesse momento restam um bode medonho pelo diploma adiado, o cansaço de lidar com 2 bebês, a falta de tempo de cuidar de mim, o constante estresse de dividir o quintal com parentes e, obviamente 2 filhos lindíssimos e um companheiro que cuida da casa.

Comentários

  1. Amei o post Mari,è exatamente assim,depois que nos tornamos mãe as cobranças são extremas ,certas cobranças beiram o ridículo :(
    A sociedade nos cobra o tempo todo não podemos reclamar jamis,temos que ser mães perfeitas o dia todo!
    Vai entender ... sò a gente se entende!
    Tamu junto! haha
    Beijo
    http://www.simplesedoce.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Mah, sei que não deve ser fácil, mas se serve de consolo, tudo passa...sempre!! O tempo sempre será o melhor remédio, então dê tempo ao tempo que tudo se ajeita, de uma forma ou de outra! E ponha pra fora msm...nada é recita de bolo como todo mundo imagina!!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  3. Precisava tanto ler isso...
    A unica diferença é que ainda não tive o segundo filho (que a sociedade tanto me cobra) e um marido que não ajuda nas tarefas de casa ao menos que eu grite demais que preciso de ajuda dele e qu largar o celular um pouco faz bem (E sempre ouço "me deixa em paz, cuida da sua vida")...
    Renunciei carreira, faculdade faço nas coxas, renunciei vida social, sonhos, manequim 38/40 e tantas outras coisas e a sociedade só sabe me olhar torto quando me veem chorando pelas ruas com um bebê no colo por estar tão cansada e em meio a um terrible two!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são moderados para evitar a fadiga, mas não se acanhe e comente ou me sentirei falando sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

Pensando aqui...

A perda gestacional existe...e tem rosto.

Epifanias